quarta-feira, 18 de julho de 2012

Estudo: papel do sistema imune no autismo

CALTECH (EUA) - Alterações específicas em um sistema imunológico hiperativo podem efetivamente contribuir para comportamentos autísticos em ratos, mostra nova pesquisa.


Cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), há uma década, foram pioneiros no estudo da ligação entre irregularidades no sistema imunológico e distúrbios do desenvolvimento neurológico, como o autismo. Desde então, estudos de cérebros post mortem e de indivíduos autistas, bem como estudos epidemiológicos, vêm apoiando a correlação entre as alterações no sistema imune e desordens do espectro autista.

O que permanecia sem resposta, todavia, é se essas alterações imunes desempenham um papel causal no desenvolvimento da condição ou são meramente um efeito colateral.

Agora, um novo estudo da Caltech sugere que alterações específicas de um sistema imunológico hiperativo podem efetivamente contribuir para comportamento autísticos em camundongos e que, em alguns casos, esta ativação pode estar relacionada ao que o feto experimentou em seu desenvolvimento no útero.

Os resultados aparecem em um artigo esta semana no Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

"Já suspeitávamos que o sistema imunológico tem seu papel no desenvolvimento dos transtornos do espectro autista", diz Paul Patterson, professor de Ciências Biológicas da Caltech, que liderou o trabalho. "Em nossos estudos com um modelo-camundongo embasado em um fator de risco ambiental para o autismo, descobrimos que o sistema imunológico da mãe é um fator chave em eventuais comportamentos anormais da descendência."

O primeiro passo do trabalho foi estabelecer um modelo-camundongo que amarrasse os comportamentos relacionados ao autismo com alterações imunológicas. Diversos estudos epidemiológicos de vulto -incluindo um que acompanhou o histórico médico de cada pessoa nascida na Dinamarca entre 1980 e 2005 - encontraram uma correlação entre a infecção viral durante o primeiro trimestre da gravidez de uma mãe e um maior risco para o transtorno do espectro do autismo em seu filho.

Para modelar isso, os pesquisadores injetaram fêmeas de camundongo prenhas com uma imitação viral que desencadeou o mesmo tipo de resposta imune de uma infecção viral.

"Nos ratos, essa única agressão à mãe traduziu-se em alterações comportamentais e neuropatologias relacionadas ao autismo na prole", diz Elaine Hsiao, estudante de pós-graduação do laboratório de Patterson e principal autora do papel de PNAS.

A equipe observou que os filhotes apresentaram os principais sintomas comportamentais associados às desordens do espectro autista - comportamentos repetitivos ou estereotipados, diminuição da interação social e comunicação prejudicada.

Em camundongos, isso se traduz em comportamentos como enterrar compulsivamente mármores colocados em sua gaiola, auto-limpeza excessiva, passar maior tempo isolado ou com um brinquedo ao invés de interagir com outro rato, ou vocalizações ultra-som com menos frequência ou de uma forma alterada em relação ao ratinhos típicos.

Em seguida, os investigadores caracterizaram o sistema imunitário da descendência de mães que tinham sido infectadas e descobriu que a descendência exibia um certo número de alterações imunológicas. Algumas dessas mudanças são comparáveis àquelas observadas em pessoas autistas, incluindo diminuição dos níveis de células T reguladoras, que desempenham um papel fundamental na supressão da resposta imune.

Tomadas em conjunto, as alterações imunes observadas somam-se a um sistema imunológico hiperestimulado que causa inflamações.

"Notavelmente, vimos essas anormalidades imunológicas, tanto na descendência jovem como adulta de mães com o sistema imunológico ativado", diz Hsiao. "Isso nos diz que uma alteração pré-natal pode resultar em consequências a longo prazo para a saúde e desenvolvimento."

Com o modelo-camundongo criado, o grupo foi, então, capaz de testar se os problemas do sistema imunológico da prole contribuem para o autismo e os comportamentos relacionados. No teste mais revelador dessa hipótese, os pesquisadores foram capazes de corrigir muitos dos comportamentos autistas da prole de mães imuno-ativadas, dando à prole um transplante de medula óssea de camundongos normais.

As células tronco normais da medula óssea transplantada não só reabasteceram o sistema imune dos animais hospedeiros, mas alteraram suas deficiências comportamentais autistas.

Os investigadores enfatizam que, embora o trabalho tenha sido realizado em ratinhos, os resultados não podem ser diretamente extrapolados para seres humanos, e certamente não sugerem que transplantes de medula óssea devam ser considerados um tratamento para o autismo. Eles também têm ainda que estabelecer se foi a infusão de células tronco ou o procedimento de transplante de medula óssea em si - competa com irradiação - que corrigiu os comportamentos.

No entanto, Patterson diz que os resultados sugerem que irregularidades imunológicas em crianças pode ser um alvo importante para novas manipulações do sistema imunológico no tratamento dos comportamentos associados aos transtornos do espectro autista. Ao corrigir esses problemas imunológicos, diz ele, talvez seja possível melhorar alguns dos clássicos atrasos de desenvolvimento vistos no autismo.

Em estudos futuros, os pesquisadores planejam examinar os efeitos de tratamentos anti-inflamatórios altamente direcionados em ratos que apresentam comportamentos relacionados ao autismo e alterações imunológicas.

Também estão interessados em considerar as bactérias e microbiota gastrointestinais (GI) desses camundongos. O coautor Sarkis Mazmanian, professor de Biologia da Caltech, mostrou que as bactérias intestinais estão intimamente ligados à função do sistema imunológico. Ele e Patterson estão investigando se as alterações na microbiota desses ratos também podem influenciar os seus comportamentos relacionados ao autismo.

O trabalho foi financiado por uma bolsa de estudos Weatherstone da Autism Speaks, bolsa de Pós-Graduação dos National Institutes of Health, uma doação da Fundação Weston Havens, uma bolsa de Inovação Caltech O. Gregory e Jennifer W. Johnson, uma bolsa de inovação Caltech e um Programa de Pesquisa Dirigida pelo Prêmio Programa de Pesquisa Médica de Desenvolvimento de Idéias Dirigido Congressualmente.

Mais sobre a Caltech: http://media.caltech.edu/

Study: Immune system has role in autism

| Kimm Fesenmaier | Caltech | 18/7/2012 |
http://www.futurity.org/top-stories/study-supports-immune-system%E2%80%99s-role-in-autism/

Respeite este trabalho. Se for republicar algum texto, cite-nos como sua fonte e coloque um link: http://cronicaautista.blogspot.com/

Nenhum comentário: